Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Consultoras de Comunicação’ Category

Acabam de ser revelados os resultados do European Communication Monitor 2010, apresentados a semana passada em Bruxelas. O inquérito foi realizado em 46 países europeus com 1955 participantes, incluindo profissionais de comunicação portugueses.

Entre as várias conclusões, importantes para a auto-avaliação e caminhos de progressão dos profissionais de comunicação organizacional, destaca-se:

– os Departamentos de Comunicação são percepcionados como excelentes, pelos próprios responsáveis,  quando são capazes  envolver stakeholders (85,8%), mobilizar pessoas (82,1%) e influenciar processos de gestão (81,8%)

– 72,1% dos profissionais de comunicação consideram que ajudam a atingir os objectivos de negócio através da criação de intangíveis como a marca, a reputação e a cultura organizacional.

– 75,5% dos profissionais de comunicação consideram que  são vistos como influenciadores de decisão pelo top management

– Comunicação Interna e Gestão da Mudança (+7,3%), Sustentabilidade e Responsabilidade Social Corporativa (+9,9%) e Personal Coaching e Formação (+9,6%) são as áreas de maior crescimento no horizonte de 2013

– Media sociais (+37%), Online media (+19,1%) e Comunicação online (+13,3%) representam os canais ou instrumentos de comunicação de maior crescimento.

Refinando um pouco a análise, percebemos que os profissionais de comunicação ainda têm a percepção que o seu foco é no apoio à estratégia usando actividades de comunicação, mas em menor percentagem se sentem responsáveis pela definição dos objectivos organizacionais, acrescentando a dimensão da comunicação à formulação da estratégia. Há, como dizem os autores do estudo, pouco “inbound”. Os profissionais de comunicação são sobretudo “boundary-spammers”, isto é falam e ouvem para fora da organização . Falam pouco para dentro da organização.

Assumem-se portanto mais como facilitadores de estratégias do que propriamente “business advisors”. Escusado será dizer que são os consultores e os profissionais das agências/consultoras de comunicação o segmento que mais se sente influenciador e participante nas estratégias das organizaçãoes. Contudo e no geral, os profissionais sentem que o seu papel de influenciador e conselheiro de confiança tem vindo a crescer.

Na perspectiva da evolução profissional, não deixa de ser curioso e significativo que, logo a seguir à formação, o networking seja encarado como uma das vertentes mais importantes no desenvolvimento pessoal e profissional. Está assim mais que justificado o crescente interesse dos profissionais pelo associativismo – em Portugal, os profissionais juntam-se em torno da APCE – e, também, pelos encontros mais informais que estão a ter grande adesão, os PR After Work dinamizados pelo Rodrigo Saraiva.

Agradeço ao Rui Martins, Coordenador Regional para Portugal da EACD, a disponibilização do estudo.

Read Full Post »

Os novos modelos de negócio que os orgãos de comunicação social desesperadamente procuram para enfrentar a crise apontam para a sua transformação em agências de info-comunicação. As actividades complementares como fonte de receita entram no universo das relações públicas. Será que a garantia de uma “chinese wall” entre informação e comunicação serão suficientes para não acabar de vez com a credibilidade dos media? Dois casos recentes são sinais preocupantes.

Na passada semana, a agência noticiosa espanhola EFE anunciou uma nova linha de negócio. Na prática a venda de serviços de agências de comunicação. Segundo o site espanhol PR Noticias e citado pela Briefing, a EFE passa a oferecer às empresas a possibilidade de aparecer nos media através de eventos por elas patrocinados, onde a EFE se encarrega de produzir “peças jornalísticas”em que a imagem dos patrocinadores aparece “as vezes suficientes”. Estas “notícias” são depois vendidas às centenas de orgãos de comunicação social que recorrerem às produções da agência noticiosa.

A imediata questão deontológica que se levanta foi antecipadamente acautelada pelo presidente da EFE Alex Grijelmo, que assegurou haver uma separação clara entre os serviços de informação e os serviços de comunicação, sem explicar exactamente como.

As razões, está bom de ver, são a rentabilização dos meios humanos e materiais de que a agência dispõe e é “um exercício de responsabilidade económica, mas também de visão do futuro face às mudanças que vive o sector da comunicação social”, conforme se apressou a concordar o presidente da Dircom, a associação espanhola de directores de comunicação. Que se saiba, ainda não houve reacção da associação das agências de comunicação e relações públicas.

No Sábado, o economista Ricardo Reis, analisa na sua coluna no i a crise dos jornais, essencialmente derivada da expansão da web e da impossibilidade de evitar o seu consumo de forma gratuita. Poucos são os leitores dispostos a pagar o verdadeiro valor (custo) da produção jornalística de qualidade.

A análise é basicamente correcta e introduz o conceito de bem não-rival como perspectiva. Na analogia com a indústria discográfica (outro sector de bens não-rivais) as soluções propostas por Ricardo Reis são aquelas que, na realidade, temos vindo a assistir em jornais de referência, e em especial nos meios económicos: a promoção de actividades complementares como a organização de conferências e eventos, a produção de programas de televisão e… pois, a consultoria de imagem.

Indaguei o professor sobre o conceito que estaria a aplicar ao termo “consultoria de imagem”. Apesar de ainda não ter recebido resposta, acredito que não esteja longe do modelo de negócio avistado pela EFE.

Sinais preocupantes para ambos os sectores, o do jornalismo e o da consultoria de comunicação. Para lá das questões de ética e deontologia, são competências e marcas de duas profissões próximas mas distintas, que se vão certamente perder depois de tantos anos de luta pelo reconhecimento de cada uma.

Adenda: O Prof Ricardo Reis respondeu à minha questão, via e-mail, e autorizou a publicação da sua resposta, que a seguir se transcreve ((Nota: Manteve-se a grafia original, obviamente digitada sem teclado português)

Concordo com tudo o que escreveu, e duvido que tenha muito a acrescentar. Existem concerteza conflitos eticos complicados, mas parece-me que nao sao completamente intransponiveis. Por exemplo, nos bancos de investimento na ultima decada tornou-se pratica algumas divisoes venderem produtos a clientes, outras servirem como intermediarios, e outras ainda fazerem investimentos em nome da empresa.
Por exemplo, o mesmo banco por vezes esta a aconselhar duas empresas num processo de fusao, enquanto que outra divisao do banco serve como “broker”  na compra de accoes dessas empresas por parte de clientes com carteira no banco, e uma outra parte ainda gere a propria carteira de
investimentos do banco que pode incluir as empresas em causa. As diferentes divisoes estao separadas, e existem uma serie de controlos internos para impedir que informacao privilegiada passe de uns para
outros, enquanto que ao mesmo tempo podem usar alguma da expertise conjunta no mercado de financas e dividir custos fixos. Isto leva ocasionalmente a problemas serios e acusacoes de fraude que se provadas
conduzema  punicoes severas, mas e’ um sistema que, pior ou melhor, tem funcionado e trazido muitos lucros ao sistema financeiro.
Para dar um exemplo aplicado aos jornais, imagine que a companhia que detem o jornal tinha uma divisao, num edificio separado da redaccao, mas com acesso ao arquivo do jornal, ‘as suas fontes e contactos, ‘a rede de distribuicao, e com pessoas com alguns anos de experiencia no jornal.
Imagine entao uma grande empresa que quer preparar a sua assembleia-geral e em que o conselho de administracao quer comunicar a sua mensagem aos accionistas antes da reuniao. Posso ver o jornal a
vender os servicos de gerir essa comunicacao. Por outro lado, imagine uma empresa que quer distribuir um folheto gratis ou uma comunicacao que alcance muitos consumidores. Uma forma eficaz de o fazer e’ mudar os canais de distribuicao dos jornais: alias assim acontece com os suplementos de publicidade do jornal. Mas, poprque nao a tal seccao do jornal ajudar a empresa a compor esse folheto, desde ajuda na composicao dos textos, assim como num arranjo grafico apelativo.


Read Full Post »

No tempo em que os ministérios, os institutos, as câmaras, a presidência, tudo e mais um par de botas (menos os tribunais) têm sites, “gabinetes de comunicação”, assessores de imprensa e imagem e todo um exército de gente paga pelo erário público para disponibilizar informação e responder a perguntas, obter “dados” sobre seja o que for, é, como há 20 anos, um martírio.

Este extracto de um post da jornalista Fernanda Câncio intitulado “Má informação” deu o mote para uma ideia há muito discutida em Portugal (e não só) pelas consultoras de comunicação e relações públicas.

Os casos relatados por F. Câncio como “Assessores de imprensa que nunca têm tempo para atender o telefone ou que quando o atendem é para dizer “mande-me um mail”; que chegam a levar meses (tenho um caso recente) a responder a perguntas e mesmo assim só parcialmente ou nada;(…)” estão nos antípodas da postura das consultoras.

A missão das consultoras de comunicação é facilitar acessos, informação, dados, estatísticas, posições, comentários. Fazem-no, em primeiro lugar, para servir os interesses ou as necessidades de comunicação dos seus clientes (que podem ser empresas privadas, mas também associações, organismos públicos, ONG, pessoas ou grupos de interesse) e que tenham relevância pública para os meios a que destinam as suas mensagens.

Mas fazem-no também, muitas vezes, apenas para ajudar um jornalista numa matéria sobre a qual possuem informações e contactos. E, muitas vezes também, sem nenhum benefício concreto para o seu cliente.

Aliás, os jornalistas tão bem sabem disso que quantas vezes, para obterem dados ou documentos oficiais sobre um tema público, ligam directamente para as organizações e empresas não-estatais ligadas a esse tema. Sabem que, se essa informação existir, e não estiver sob reserva de confidencialidade, as consultoras tudo farão para ajudar.

Não se trata aqui de bons samaritanos. Apenas e tão só uma forma transparente e desassombrada de trabalhar informação. Como F. Câncio diz, “a maioria dos  assessores de gabinetes já foram jornalistas”. Pois bem, nas consultoras também existem ex-jornalistas. A questão é que, para uma missão aparentemente igual, as posturas são diferentes. A diferença é que os consultores dependem da sua competência, do seu profissionalismo e da sua boa reputação para sobreviver. São pagos para trabalhar, gerir e disponibilizar informação, não para a sonegar ou reter. É outra atitude perante a informação. As consultoras são hoje reconhecidas como os players mais transparentes do sistema mediático (que os social media vieram ampliar, e onde as consultoras também já trabalham com profissionalismo).

Dito isto, deixo aqui o repto: Para quando a profissionalização da comunicação pública? Como em qualquer organização, deve existir um responsável interno pela comunicação. Mas este deve ser apoiado por uma equipa profissional que sabe que a transparência e o acesso rápido a informação, as respostas oportunas às questões dos jornalistas são condição para um jornalismo também ele mais conhecedor e por isso de maior qualidade, evitando as “manipulações e distorções” que Fernanda Câncio também refere no post.

Se, recentemente, o governo recrutou uma agência internacional para trabalhar informação pública junto dos media internacionais, porque não fazê-lo internamente, ao nível de ministérios, agências estatais e outros organismos públicos?

Responder-me-ão que os assessores são cargos que exigem confiança? Claro. O trabalho das consultoras também se baseia em confiança e um consultor tem deveres éticos de lealdade, confidencialidade e verdade.

Uma ideia sobre a qual gostava de saber a opinião dos partidos que defendem a transparência, a democracia e a sociedade civil.

Read Full Post »

%d bloggers like this: